"É mais fácil mobilizar os homens para a guerra que para a paz. Ao longo da história, a Humanidade sempre foi levada a considerar a guerra como o meio mais eficaz de resolução de conflitos, e sempre os que governaram se serviram dos breves intervalos de paz para a preparação das guerras futuras. Mas foi sempre em nome da paz que todas a guerras foram declaradas." José Saramago

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Convenção "à rasca"


Se me perguntassem há 3 dias se escreveria algo sobre a convenção do BE responderia prontamente que não. Que não é o meu Partido, que tenho outras e mais importantes preocupações ou, simplesmente, que não me apetece.
Sucede que no Sábado li a entrevista ao Público do Miguel Portas e Domingo calhou ouvir na rádio o discurso de encerramento do Francisco Louçã... mais tarde dei-me ao trabalho de ouvir ainda o primeiro discurso do Louçã, o discurso do Gil Garcia e as linhas gerais do que se passou nesta convenção.

Vamos então por partes e o porquê deste título. Pouco me espantava a apropriação que o Bloco andava a fazer do 12 de Março, mas o que se passou este fim de semana excedeu toda a razoabilidade... No Sábado leio no Público que Miguel Portas deseja um 12 de Março nas urnas. "12 de Março nas urnas"??? Uma tonteria do MP, pensei. Qual não é o meu espanto ao ouvir depois o discursos de Louçã e a forma como isto é tratado pelo Bloco...
"Se gostaste do 12 de Março faz o teu 5 de Junho" ????
Por mais que dê voltas à cabeça não percebo esta ligação directa 12 Março/ 5 Junho.
1º- Se o Bloco tem responsabilidades na organização do que foi o 12 de Março era bom que as assumisse de vez. Isto por duas razões, por um lado é melhor tarde que nunca por outro explicar-nos-iam de vez porque intitularam esta manif de Apartidária.
 2º- Nunca esta ou qualquer campanha eleitoral terá tantos apelos mediáticos e debates como houve à volta desse evento (até Cavaco deu um empurrão...)
3º- Não entendo como gente que se diz de luta e combate fica contente com esta manifestação única e como tal inconsequente. Não "homens da luta", não caros "aderentes",  não foi esta manifestação isolada que fez cair o Governo. Demagogia sem limites.
4º- Como havia muitos bloquistas na manifestação custa-me compreender que não tenham assistido ao mesmo que eu. Louçã diz deste dia que trouxe energia e respostas, que levantou soluções, tratou-se de "um dia luminoso"... Mas quais respostas? Quais soluções? Não contesto o luminoso, estava um belo dia de Sol.
5º- Como é possível este Homem de garrrrrra da esquerda socialista faça todo um discurso de enaltecimento do 12 de Março e passe ao lado de todas as outras manifestações e lutas que têm acontecido?
6º- Miguel Portas pede um 12 de Março nas urnas...
Vejamos entre abstencionistas crónicos, anarquistas, neo-nazis, monárquicos,comunistas, quase todas as juventudes partidárias,esquerdistas, feministas, ecologistas e defensores de animais, escuteiros, turistas, crianças e até pessoal do Yoga... Vejamos então o que se arranja Miguel.
Miguel Portas tem ainda um gesto de honestidade na entrevista quando explica que tristes, muitos bloquistas acabaram votando Nobre ou Manuel Coelho nas presidenciais... Grande força de esquerda esta que fala tanto em união. Quando claramente só há um candidato de esquerda vá de votar no Nobre ou no tonto da Madeira. Comunistas é que nem pensar. Sim senhor. Quanto ao Manuel Coelho, cuidado que ele quer uma coutada grande do 12 de Março... Pode ser que seja eleito. Serviria como uma lição a aprender por todos os que por preconceito votaram nele...

Pois é. E eu que achava que esta convenção ia debater os temas que têm fracturado de facto o Bloco. A saber: apoio a Manuel Alegre (contestado por Gil Garcia e FER e está bom); Voto favorável à "ajuda" grega (ninguém se lembrou...); Voto no Parlamento Europeu sobre o ataque à Líbia (ninguém se quis lembrar...).
Preferiram discutir outras coisas deixando estas junto a outras debaixo do tapete...
Discutiu-se a reunião com o PCP e aqui não posso deixar de dizer que me faz sempre alguma comichão ver como o Bloco fala do PCP. Parece que assim haja vontades no Bloco e o PCP vem ou vai consoante a vontade desta gente. Estarão bem da cabeça? Gil Garcia vocifera contra a direcção do Bloco por só agora ter reunido e nem aí ter feito uma aliança... Alguém explica a esta gente que o PCP tem 90 anos de independência como Partido e que não corre atrás de imediatismos?
Adiante... O Bloco mostrou, a quem dúvidas tivesse, o Partido que é. Feito de campanhas eleitorais e dependente em exclusividade do trabalho parlamentar. Cada dia mais igual aos outros (PS/PSD/CDS) na demagogia barata.
Louçã disse que quer alianças à esquerda. Não exclui PS. Apenas exclui Sócrates.
Passos Coelho fazer este jogo parece-me óbvio. Agora ver o Bloco entrar nisto é algo que me custa e irrita a sério.
Então o PS sem Sócrates passa a ser de esquerda? Fantástico. Como é possível dizer tamanho disparate? Na tentativa desesperada de tentar ir buscar votos ao PS ofende os seus eleitores e todos os militantes do PS ao passar-lhes tamanho atestado de menoridade. Mais chocante é ver tanta gente do Bloco ir acreditando nestas coisas e pior defenderem estas ideias como se estas valessem alguma coisa. Ruído, apenas muito ruído inconsequente.
Em relação a isto penso que uma imagem vale mais que mil palavras.

Gil Garcia não falou da NATO, não falou da Grécia.
Francisco Louçã também não.
Ninguém explicou porque é que o BE tem estado ausente das manifestações contra a ingerência do FMI.
Ninguém falou das declarações de Alegre em que este diz que a proposta da troika é boa. (se isto não é a esquerda do PS...)
Ninguém falou da (pseudo) moção de censura. Lembram-se?

No seu primeiro discurso Louçã voltou aos seus tiques de que o "o BE é a unica força de esquerda que" blá, blá, blá... Teve resposta à altura da sua grandeza e calou-se.
O que poderia dizer?
A última destas tinha sido que o BE era o único partido que se batia em Portugal contra a NATO. Bem sabemos...

Falou com um fundo verde... Mudam cores, projectos de aliança, criam pequenos eventos mediáticos e pouco mais. De resto é esta incoerência e falta de rumo que eles já perceberam, ou talvez não, que os vai penalizar no seu 12 de Março transportado toscamente e em desespero para as eleições de dia 5 de Junho.

4 comentários:

  1. Magnífico texto!
    Parabéns!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia, camaradas! Hoje esfolámos um Coelho e fizemos sangue: logo à noite há arroz de cabidela.

    ResponderEliminar